Avaliação do Tópico:
  • 5 voto(s) - 3.8 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Boas Vindas
#41
(04-02-2020, 10:18 AM)Silvia.Marina Escreveu: Caros Colegas,
perante esta situação, muitos de nós estão a trabalhar à distância e tal como um colega expôs aqui no fórum, até podemos achar que vamos ter tempo para fazer tudo com tranquilidade porque estamos em casa, mas de facto não será bem assim. Para além disso, muitos terão crianças em casa que precisam de atenção e cuidado. Será momento de dizermos take a break. Este fórum pode ser precisamente esse momento de pausa, de partilha, de desabafo, de reflexão.

Um bem haja a todos.

Boa tarde, e agradavelmente aquilo que estou a ler é aquilo que estou a fazer, intervalo no teletrabalho e vim ao fórum. 
Também tenho um horário mais ou menos certo para exercício físico em casa (na Paragem: quarto  Smile ), 30 min todos ou quase todos os dias.
Faz milagres nesta altura. Arranjem 30 min para isso mesmo.
Responder
#42
Boa tarde,
Quero antes de mais cumprimentar a todos os colegas do fórum e desejar muita saúde a todo, bem como, agradecer à OPP pela iniciativa de criar este fórum e assim como todos os materiais que tem desenvolvido relativos ao covid-19.
Faço parte dos  colegas que estão a colaborar na linha informativa do SNS24, tem sido muito gratificante poder contribuir desta forma nos esforços contra a pandemia, tentar tranquilizar os mais ansiosos ou dar um pouco de atenção a utentes que estão sozinhos. A linha informativa tem sido um desafio face às mudanças céleres que requerem sistematicamente mais informação e novas respostas. Como é comum, a realidade e diversidade de questões supera sempre o que vem nos manuais Smile
Boa tarde e boa continuação!
Responder
#43
Olá colegas,
Nós aqui no ACES Oeste Sul estamos em teletrabalho. Mantemos o apoio aos utentes por telefone e estamos muito focados no apoio às equipas de saúde, que estão sob grande stress e começam a dar sinais de elevado desgaste.
Não tem sido fácil conciliar tudo, pois temos de nos reorganizar diariamente e as orientações superiores nem sempre são facilitadoras.
Obrigada por este espaço de partilha e desejo um excelente trabalho a todos!
Responder
#44
Olá a todos! 

Sem dúvida esta é uma fase de enorme desafio para todos!

Nunca antes isto aconteceu, nestas circunstâncias e com as medidas que somos obrigados a cumprir. E tudo o que é novo e implica mudança assusta, é difícil e a maioria das pessoas mostra-se resistente a isso. 

Embora a minha perceção de que a maioria da população está a ser cumpridora das regras impostas (ficar em casa e manter-se em segurança), isso está a ter um custo e grandes consequências a nível psicológico. E vejo isso a surgir esta semana... já são muitos dias e mais 15 (no minimo) virão pela frente. 

Estou em regime de teletrabalho, na minha atividade profissional ligada à formação. 
No que respeita à minha prática psicológica individual, a minha maior dificuldade está a ser ao nível das crianças e adolescentes que acompanho. É extremamente difícil fazer a intervenção via online. 
Já li todas as dicas e experiências que colegas partilharam atrás, no entento, é muito difícil conseguir assegurar que a criança vai estar sozinha, num lugar calmo e sem interrupções. 
Além disso, em alguns casos a criança não consegue manter o telemóvel quieto e acaba por achar mais uma brincadeira e a chamada acabo por se perder, etc. 

Sem dúvida que este é um grande desafio à nossa profissão e a este tipo de intervenção, mas acredito que é uma fase de enorme aprendizagem para todos nós. 

Grata a todos os que partilham a sua experiência e conhecimento, vou estar atenta a todas as mensagens, pois tenho a certeza que me irão ajudar a melhorar a minha intervenção nesta fase e até a encontrar alternativas a esta situação. 

Bom trabalho a todos e acreditem que podem fazer a diferença (mesmo na vida daqueles "amigos" que nos ligam por saberem que somos psicólogos e que tentam disfarçar o medo e incerteza)! 

Um abraço virtual mas caloroso a todos! 

Belinda Costa
Responder
#45
(04-01-2020, 06:59 PM)Sara Neto Escreveu:
(04-01-2020, 03:19 PM)Raquel Romão Escreveu: Boa tarde a todos,

Muito agradeço as palavras de todos e especialmente do colega Dr. Miguel Ricou, pelas suas palavras e iniciativa de criar este fórum. Decidi registar-me no forúm pois vou mesmo precisar de desabafar algumas angústias, frustrações e ouvir outras da vossa parte. Eu tenho trabalhado a fazer consultas de psicologia clínica no concelho de Albufeira, nos últimos 4 anos, no entanto e devido a esta pandemia do COVID 19, a vida pessoal e profissional levou uma volta inesperada. Tentando pensar como me adaptar nestes tempos difíceis, estava Às voltas a pensar como trabalhar agora? Com o desenrolar dos acontecimentos, devido à covid 19, fui contactada pela OPP, para apoiar a linha de atendimento ao covid 19 do SNS24, e tal como outros colegas que fizeram a formação de Intervenção em crise e catástrofe, faço parte da bolsa de psicólogos formados em 2015 que estão a dar apoio à linha telefónica do SNS24. Tanto eu como outros colegas que fizeram esta formação, possivelmente não imaginávamos fazer este tipo de colaboração em tele-trabalho, inteiramente a 100% por telefone, uma vez que como psicólogos estamos habituados a estabelecer uma relação presencial, face a face, com as pessoas. E no curso até trabalhámos bastante a parte prática em termos de apoio e intervenção em crise presencialmente. Bem devo dizer que é muito difícil fazer o apoio à linha, ficando por vezes quase sem palavras face às incertezas e angústias de quem liga para a linha todos os dias, mais do que uma vez às vezes. Tentando de todas as formas dar a melhor resposta e encaminhamento possível dentro do que nos foi pedido pela OPP e pelo SPMS (Serviços Partilhados do Ministério da Saúde), sabendo que não posso fazer mais do que me foi pedido,além do que está no manual da DGS, sinto que como Psicóloga posso ajudar mais as pessoas nesta fase de crise que nos encontramos, todos os dias vejo a ansiedade a aumentar e o desespero de muitos que estão em casa e já dão sinal de alerta psicológico em isolamento social. Aguardo que a ordem possa rapidamente ajudar para que em vez de informações sobre o covid 19, possamos dar apoio psicológico que muitos já começam a precisar. Termino com uma frase de uma pessoa que atendi hoje no turno da manhã: 'Já sei como me proteger, já ouvi as medidas na vossa gravação, estou a ficar ansiosa e não sei o que fazer, tenho crianças e idosos em casa....'
Obrigada pela vossa atenção, bom trabalho e força a todos
Raquel Romão

Olá, Raquel!
Percebo perfeitamente o que dizes, também estou na linha SNS24 e de facto não é fácil. Por vezes é bastante angustiante e dou comigo a pensar que também deveria ter o curso de medicina ehehe
Mas na verdade, por mais que possamos pensar que podíamos ajudar ainda mais, nós já estamos a ajudar (muito ou pouco, ajudamos)! Quando alguém desliga, vai de certeza bem melhor do que quando ligou e é nisto que nos devemos focar.
Força e bom trabalho!
Sara Neto




Olá Colegas,

Partilho a mesma sensação de que às vezes gostaria de fazer mais e que não me satisfaz quando não tenho informação pedir que escrevam email pois sei que a urgência das situações muotas das vezes não se coaduna com os tempos de espera das respostas de email. Penso que muita da escassez de informação que nos dão se deve exatamente pela situação que vivemos...muitas das chamadas que nos chegam vão criando a necessidade de novas respostas. Quando são casos que me assustam mais escrevo por email para o SPMS a reportar, seria muito importante haver uma forma onde nós pudessemos de facto sinalizar casos mais urgentes, muito embora esta não seja uma linha de triagem.
Tento ao máximo atualizar-me em termos das medidas que vão sendo publicadas pela DGS e mesmo assim é impossível informar todos os utentes da melhor forma, porque realmente tem sido muito dinâmica as temáticas que vão surgindo, quando melhor sabemos responder a um tópico , surgem outros.
Continuação de bom trabalho!


Olá Colegas,

Partilho a mesma sensação de que às vezes gostaria de fazer mais e que não me satisfaz quando não tenho informação pedir que escrevam email pois sei que a urgência das situações muotas das vezes não se coaduna com os tempos de espera das respostas de email. Penso que muita da escassez de informação que nos dão se deve exatamente pela situação que vivemos...muitas das chamadas que nos chegam vão criando a necessidade de novas respostas. Quando são casos que me assustam mais escrevo por email para o SPMS a reportar, seria muito importante haver uma forma onde nós pudessemos de facto sinalizar casos mais urgentes, muito embora esta não seja uma linha de triagem.
Tento ao máximo atualizar-me em termos das medidas que vão sendo publicadas pela DGS e mesmo assim é impossível informar todos os utentes da melhor forma, porque realmente tem sido muito dinâmica as temáticas que vão surgindo, quando melhor sabemos responder a um tópico , surgem outros.
Continuação de bom trabalho!
Responder
#46
Boa tarde colegas. É um prazer fazer parte deste fórum, e começo por agradecer o apoio dos colegas da OPP, agredecendo todo o trabalho, visivel e invisivel que têm realizado.
Aproveito este espaço para fazer apenas uma sugestão: a larga maioria das pessoas e profissionais de saude não sabe provavelmente ainda que já existe uma linha de apoio psicológico no SNS24. Seria importante uma maior divulgação, sobretudo por parte da DGS ou SNS24.
Paralelamente a isso, ao contrário da plataforma de informação, esta plataforma tem um bug e está constantemente a obrigarmo-nos a fazer login. Não tenho o numero de apoio do departamento informático, mas seria importante comunicar-lhes isto.
Por ultimo, apenas uma questão organizativa: atendendo a que somos remunerados, seria importante haver um escalonamento de acordo com as necessidades de cada turno e a nossa propria disponibilidade. No modelo atual corremos o risco de falhar algumas respostas. Mas é apenas uma sugestão.
Obrigado
Miguel Moura
Responder
#47
(03-31-2020, 06:18 PM)Miguel.Ricou Escreveu: Caros colegas

São tempos difíceis aqueles que todos estamos a viver, e paradoxais para nós. Vai aumentar a necessidade do nosso trabalho, mas vão diminuir as condições para o mesmo. Isto vai gerar consequências, para o público e para nós. Este forum serve para conversarmos sobre isso, desabafarmos, procurarmos respostas, fazermos perguntas. 

Não esperem respostas minhas, ainda que elas possa surgir. Sou um membro entusiasta deste grupo tal como qualquer um de vós.  

É por isso com muito entusiasmo que dou este pontapé de saída. Espero que nos seja útil a todos. 

Um abraço

Miguel Ricou
Boa tarde a todos os colegas! 
Queria felicitar a OPP pela iniciativa de criar este fórum, e pelo trabalho que tem realizado...este fórum servirá claramente para que possamos "conversar", reflectir, e partilhar experiências...são sem dúvida tempos difíceis para os quais não estávamos preparados, e que a pouco e pouco nos vamos adaptando (com dificuldade).  
Continuação de bom trabalho!
Telma Grazina
Responder
#48
Olá colegas!

Antes de mais gostaria de felicitar a OPP por esta e pelas várias iniciativas que tem desenvolvido nesta fase, em colaboração com as principais entidades de saúde. Apesar dos desafios, tenho a certeza que deixaremos a nossa marca na história do combate à pandemia pelas melhores razões. Que nos possa também unir e fortalecer como classe profissional, e que nos redescobramos como agentes de mudança num futuro que não será, certamente, igual a nada do que passou.

Um agradecimento especial aos colegas que estão a 100% na linha da frente, no apoio direto à Covid-19, nos cuidados de saúde ou nas linhas de atendimento psicológico. Bem hajam!

Na minha prática profissional, que é recente, trabalho em contexto privado nas áreas da psicologia clínica e sexologia clínica, sobretudo com adultos e jovens-adultos. Já me tinha deparado com o atendimento online, mas apenas em situações nas quais a pessoa não tinha como se deslocar (e.g. viver no estrangeiro), pelo que nunca tinha sido um meio que dominasse. Não que tivesse uma grande resistência ao mesmo, mas via-o sempre como medida de excepção.

Neste momento, por força das circunstâncias, e também por motivos pessoais, estou a tentar trabalhar exclusivamente em teletrabalho, tendo encontrado algumas resistências. Os clientes que estavam agendados para primeiras consultas tendem a não aceitar a sua realização via online e a preferir aguardar a possibilidade de atendimento presencial. No caso dos clientes que estavam em seguimento, alguns deles não conseguem passar ao formato online por falta de condições de privacidade.

Posto isto, e dado que a situação ainda poderá durar algum tempo, gostaria de pedir as vossas sugestões quanto a medidas a adoptar quando o acompanhamento fica suspenso (ainda que com toda a liberdade para entrarem em contacto). Estou a pensar ir fazendo follow-up via telefone, mas questiono-me se será a medida mais prudente e se haverá outros modos de atuação.

Além desta situação, estou envolvida em dois projetos de voluntariado para prestação de apoio/aconselhamento psicológico através de consulta online. Um deles voltado para profissionais de saúde e outro para a população em geral, em plataformas online. No segundo caso, tem surgido situações em que, além do stress próprio desta fase e impacto do isolamento, sobrepõe-se quadros de psicopatologia, dinâmicas familiares difíceis, situações de desemprego, em que a psicoterapia poderia atuar. No entanto, pelas condicionantes deste apoio, é difícil e inconsequente tornar esse um dos objetivos. Os materiais disponibilizados pela OPP quanto ao apoio telefónico são uma óptima fonte de inspiração na minha atuação neste contexto. Mas gostaria de ver opiniões e sugestões de colegas em situações semelhantes e como lidam com o desafio de ajudar esta pessoa da melhor forma possível, mas direcionando para o aqui e agora.

Obrigada e bom trabalho a tod@s!
Responder
#49
Muito Obrigada pela criação do Fórum e pela constante actualização em termos de apoio aos Psicólogos nesta fase crítica, quer com webinar, quer com literatura sobre os temas que vão surgindo. A propósito gostaria de saber que plataforma é utilizada que configure critérios de confidencialidade e privacidade dos pacientes. 
Espero poder contribuir para aligeirar ou suavizar esta fase, mas também recolher as vossas experiências, enquanto promotores da saúde mental, no meio deste caos em que todos vivemos. 
Obrigada
Responder
#50
(04-01-2020, 06:32 AM)Ana Madureira Escreveu: Bom dia a Tod@s!!

Espero que se encontrem bem!!

Sim neste, momento a minha intervenção enquanto psicóloga sofreu uma alteração espantosa!!
Há mais de 9 anos que estou a colaborar com APAV , inicialmente  em regime de voluntariado e há cerca de 5 meses como colaborada e faço parte portanto da APAV Algarve  onde dou apoio psicológico a vítimas de crime em vários Municípios.

Feita esta breve introdução vou passar a partilhar a minha experiência recente.

Numa primeira fase, a pré- pandémica já sentia alguma dificuldade pela intervenção breve que me era exigida realizar,  devido sobretudo (penso eu) à elevada procura deste apoio especifico, que aliás me parece mais psicossocial ou intervenção em crise, do que uma intervenção psicológica propriamente dita, pois as vítimas em situação de crise não estão prontas para se trabalhar a si mesmas... 
Bem, mas este tema ultrapassa os objetivos deste fórum, enfim foi um desabafo....

Desde o dia 16 de Março que estou em Teletrabalho e tem sido um desafio pois a agenda está cheia e estamos em plena fase de adptação e redefinição de estratégias...

1º contatei @s utentes adultos para explicar os motivos da suspensão do atendimento presencial (facilmente aceite) e propor as alternativas a este , telefónico ou via SKype (também facilmente aceite).
Com as crianças devido à tenra idade de algumas, não se reúnem as condições para o referido apoio.
Como posso fazer com as crianças ? Têm alguma ideia, colegas? os jogos que exigem manuseamento, planificação e resolução de problemas? como substituir ? aconselham algum  jogo!?

Tendo em conta a especificidade do contexto de intervenção, no qual damos conta das emoções fortes como as do medo, da insegurança, a avaliação e intervenção eram mais "completas" num espaço próprio onde  OBSERVÁVAMOS  e SENTÍAMOS!  não sei ....parece que agora, pelo telefone, a forma não é tão acolhedora , parece que não estou inteira e a pessoa não está inteira faltam peças do puzzle!

Talvez se deva ao facto de não estar habituada a trabalhar assim...

É isso! tudo é uma questão de habito não é colegas? até porque vou me permitir de desenvolver a escuta ativa ... pois vai ficar mais apurada! Smile Noto que me inclino mais para a direita! parece que quero entrar no mundo da pessoa , visitá-la e voltar ... tenho que corrigir a postura ao telefone, bem também ninguém está a ver Angel . De qualquer forma é importante corrigirmos a postura pelas razões que todos conhecemos. Sim é uma situação nova e estamos menos confortáveis a postura é mais tensa ... bem tenho que fazer alongamentos antes!!!
  Outras dificuldades ?
tenho 3 jovens em casa com idades e interesses diferentes e que precisam de orientação para tudo fluir com "normalidade" . Bem tem sido um desafio! : Idea .... Quando eu pensava que iria ter tempo para tudo... Eis que surgem tarefas sempre para organizar!!!  Colegas há sempre muita coisa para fazer .... confesso até que tenho dificuldade em organizar!
Ups ! mais uma coisa para fazer: ORGANIZAR,

Foram os meus desabafos de hoje !!!
Fiquem bem e Bem haja a tod@s
Até breve

Boa tarde,

Trabalho em Coimbra e algumas vezes em cooperação com a APAV, que faz um trabalho muito importante na nossa sociedade!
Permita-me sugerir uma intervenção com otimos resultados em crise, auto regulação de trauma emocional, que se denomina de EMDR. Existem diversos protocolos, sendo que a estabilização da pessoa com esta intervenção é mais rápida, pode não ter de ser usada a forma verbal e no final de cada sessão a pessoa sente-se melhor.
 Se necessitar de mais esclarecimentos, encontro-me ao dispor.
Abraço,
Margarida Rodrigues
Responder


Saltar Fórum:


Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)